Luis de Deus, Anilton Bastos e o espectro da revolta social


Há muito tempo que o eleitor pauloafonsino assentou-se numa cultura política de sombria tradição, qual seja: “doutorizar” seu voto. É preciso votar em um doutor, de preferência, médico. Esse provinciano pensamento político tem feito a roda girar em torno do próprio eixo e os mesmos políticos revezarem seus mandatos.

Anilton Bastos já administrou Paulo Afonso por três vezes (doze anos) enquanto  Luis de Deus está no seu segundo mandato e pretende estender ao terceiro. A maior base destes candidatos é o fato de ambos serem médicos portanto, doutores.

Em outubro deste ano teremos eleições municipais e a tendência é que haja uma polarização entre os doutores Luis de Deus e Anilton Bastos.

Este espelho simétrico das eleições pauloafonsinas nos dá a exata medida de que o eleitor não tem o mínimo conhecimento a respeito da natureza intrínseca daquilo com o qual está lidando: o voto.

Luis de Deus e Anilton Bastos estão, ambos, ancorados em um modelo arcaico de administração cujo ciclo clânico nos leva a um gueto político.
Ainda que sejam “doutores” e alicerçados no pensamento arcaico do eleitorado, os políticos acima citados correm riscos de desabarem enquanto pilares da cena política pauloafonsino, basta olhar as redes sociais que verão o espectro da revolta social rondando suas bases políticas.

Luis de Deus, Anilton Bastos e o espectro da revolta social Luis de Deus, Anilton Bastos e o espectro da revolta social Reviewed by Ednaldo Júnior on 15:24 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade