Pastores do MEC queriam propina até em Bíblia, revela prefeito

 Revelação foi feita em entrevista ao Jornal O Globo nesta quarta-feira


Ministro Milton Ribeiro e o pastor Arilton Moura - Foto: Luis Fortes/MEC

Os pastores que compunham o chamado "gabinete paralelo" do Ministério da Educação (MEC) teriam pedido propina até mesmo na compra de Bíblias pelas prefeituras que buscavam recursos para escolas. A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (23) a abertura de um inquérito contra o ministro Milton Ribeiro em razão do escândalo envolvendo os pastores Gilmar Silva dos Santos, presidente da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), e Arilton Moura, assessor da CGADB.

Em entrevista ao Jornal O Globo, os prefeitos Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO), e José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul (SP), revelaram que o pastor Arilton Moura chegou a pedir R$ 15 mil e R$ 40 mil de propina para a liberação de recursos que os municípios precisavam.

Kelton Pinheiro revelou ao jornal que participou de um encontro oficial com Milton Ribeiro no MEC no dia 11 de março de 2021 e que, após o ministro deixar o local, ele e outros prefeitos tiveram que conversar com Arilton e Gilmar. Foi nesse momento que houve o pedido de propina. "[Moura] Disse que eu teria que dar R$ 15 mil para ele naquele dia para ele poder fazer a indicação. [O pastor disse] 'Transfere para minha conta, é hoje (...) No Brasil as coisas funcionam assim'", revelou.

Em seguida, o pastor fez a proposta de propina na compra de Bíblias. "[Sugeriu] que eu desse uma oferta para a Igreja, comprasse as bíblias para ajudar na construção da Igreja (...) Seria uma venda casada. Eu teria que comprar essas bíblias, porque ele estava em campanha para arrecadar dinheiro para a construção da igreja", disse o prefeito.

O prefeito de Boa Esperança do Sul, José Manoel, fez uma revelação parecida, mas para ele a propina cobrada era mais alta: R$ 40 mil.

O Ministério da Educação nega que os recursos fosse manejados pelos pastores.

Na terça-feira (22), Gilberto Braga (PSDB), prefeito de Luis Domingues (MA), revelou que o pastor Arilton Moura o pediu propina de 1 quilo de ouro para liberar recursos MEC destinados à construção escolas e creches em sua cidade.

Por tribunahoje.com

Pastores do MEC queriam propina até em Bíblia, revela prefeito Pastores do MEC queriam propina até em Bíblia, revela prefeito Reviewed by Ednaldo Júnior on 07:24 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade