Caixa mantém em sigilo norma que liberou obra na casa de Pedro Guimarães

 

Divulgação: Google


A Caixa Econômica Federal mantém sob sigilo a norma interna que embasou o custeio de uma obra de aproximadamente R$ 50 mil na mansão o ex-presidente do banco Pedro Guimarães localizada no Lago Sul, bairro nobre de Brasília (DF), revelada pelo jornal Folha de S.Paulo no início de julho.

Na época, a Caixa afirmou que a obra -a instalação de postes de luz no jardim da casa- foi feita por motivo de segurança e era amparada por uma norma interna.

A reportagem pediu acesso a essa regra por meio da LAI (Lei de Acesso à Informação), mas a Caixa disse que seu conteúdo é sigiloso.

“A regulação da destinação e custeio do aparato de segurança para empregados e dirigentes é regida por normativo interno e seu conteúdo trata de processos sensíveis no que diz respeito à preservação da integridade e vida dos empregados, sendo seu conteúdo tratado em sigilo.”

De acordo com o banco, desde 2015 “foram beneficiados com os aparatos de segurança nove empregados e dirigentes da Caixa”. O banco não deu mais detalhes.

Depois da revelação do caso, o MP (Ministério Público) junto ao TCU (Tribunal de Contas da União) pediu para que a obra fosse investigada.

Além disso, o MPF (Ministério Público Federal) pediu informações ao banco sobre as obras. O procedimento, aberto em 8 de julho, dava 15 dias úteis para que a Caixa respondesse. A partir do que for dito pela instituição financeira, o MPF decidirá se abre ou não uma apuração.

As intervenções na casa foram feitas em julho de 2020 por quatro funcionários de uma empresa que mantém contratos com o banco público para realização de serviços de manutenção em seus prédios e agências.

A reportagem falou com dois dos funcionários da EMIBM Engenharia e teve acesso a imagens dos trabalhos sendo realizados.

A empresa presta serviços de engenharia para a Caixa há cerca de 25 anos, obtidos por meio de licitações. O último contrato, de junho de 2020, tem valor estimado de R$ 16,3 milhões. Desse total, R$ 4,9 milhões já foram executados.

A EMIBM Engenharia disse em nota que não se manifestará sobre suas obras devido a cláusulas de confidencialidade do contrato.

A mansão foi alugada por Guimarães depois de o executivo deixar um apartamento mantido pelo banco em um hotel de luxo em Brasília.

A residência fica na beira do Lago Paranoá, na região mais valorizada da cidade, e tem um campo de futebol. O jardim cuja iluminação foi paga pela Caixa se estende até as margens do lago.

A obra na casa de Guimarães foi realizada poucos dias depois de uma ameaça feita em um grupo de Telegram ao ex-presidente e familiares.

Na mesma época, a Polícia Federal abriu um inquérito para investigar um ataque hacker ao presidente. Isso aconteceu depois de o banco fortalecer as medidas de segurança para evitar golpes no pagamento do auxílio emergencial. Uma pessoa chegou a ser presa, em setembro, nos desdobramentos da apuração.

Antes de instalar os postes de luz e das ameaças, Guimarães já tinha tentado passar para o banco uma outra despesa envolvendo o imóvel. O jardim da casa se estende até a beira do lago Paranoá e Guimarães queria instalar uma cerca para separar o terreno da margem.

O setor responsável negou o pedido. Na época, ele não era comandado por Simone Benevides, funcionária da Caixa que autorizou a instalação dos postes de luz.

Além da reforma, a Caixa também forneceu oito seguranças para Guimarães e até internet na sua casa. Também nesse caso, o banco e o advogado de Guimarães, José Luis Oliveira Lima, alegaram motivos de segurança.

Pedro Guimarães deixou o banco no fim de junho após uma série de acusações reveladas pelo Metrópoles de assédio moral e sexual.

Após a saída, ele publicou um artigo na Folha dizendo estar sofrendo acusações inquisitoriais e que queria sofrer “a mais profunda devassa” na sua vida para provar a sua inocência.

A Caixa recebeu sete denúncias internas contra Guimarães antes de sua demissão do banco. A primeira foi registrada em julho de 2019, apenas seis meses após ele tomar posse no comando da estatal.

A Folha de S.Paulo revelou diversos casos em que funcionários graduados do banco eram enviados para postos de início de carreira.
Um dos casos é o de um executivo com salário de R$ 45 mil que foi colocado para organizar filas em uma agência da Caixa.

Fabio Serapião e Lucas Marchesini/Folhapress



Caixa mantém em sigilo norma que liberou obra na casa de Pedro Guimarães Caixa mantém em sigilo norma que liberou obra na casa de Pedro Guimarães Reviewed by Ednaldo Júnior on 06:41 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade